terça-feira, 27 de janeiro de 2015

BLOGUE OU NÃO BLOGUE, EIS A QUESTÃO

Dias 28 a 1 podem ser dias de não-avenida. Depende de haver, ou não, net na minha próxima paragem. Veremos.


Medic, pedic, zed oblique,
Orphic, morphic, dorphic, Greek.
Ad hoc, ad loc and quid pro quo,
So little time, so much to know!

(a questão essencial continua a ser esta)

A MAIS BELA PRAÇA DE TOUROS DO MUNDO

Nunca lá estive, mas tenho a certeza que esta é a mais bela praça de touros existente em todo o mundo. Na caldeira de um vulcão já extinto, rodeada por escarpas e pela vegetação, a praça de touros situada no Monte de Nossa Senhora da Ajuda, na ilha Graciosa, é um prodígio de imaginação e de pragmatismo.

Surge aqui como forma de assinalar uma temporada que está mesmo a começar. Farei os possíveis e os impossíveis para regressar a Olivença. Fala-se em Talavante e El Juli. José Tomás é que era, mas pronto...

Celebrem-se, pois, as tradições. E o vigor da cultura mediterrânica.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

SYRIZA, ESQUERDA E TAL

"Karamanlis ou os blindados", proclamava-se em Atenas, em 1974. Ou seja, se a Nova Democracia não ganhasse as eleições, regressaria a ditadura. Konstantinos Karamanlis (1907-1998) acabou  por liderar o processo de democratização da Grécia.

Samaras tentou a tática do medo, pintando o Syriza de vermelho. Agitaram-se espantalhos norte-coreanos. Já se imaginavam os jovens gregos desfilando na Praça Syntagma, cantando em coro "é tão bela a nossa vermelha Acrópole"...

Caaaaalmaaaa... Não vai acontecer nada de substancial. Tsipras vai dar uma de realpolitik. O resto são coisas que dão para umas momentâneas excitações noticiosas e nada mais.




Texto de Miguel Esteves Cardoso, no "Público":


Hoje é um dia importante. Espero que o partido Syriza ganhe as eleições com maioria absoluta. Alexis Tsipras é inteligente, corajoso, grego e europeu: não quer que a Grécia deixe de usar o euro.

Se ganhar com maioria, fará frente à União Europeia e defenderá uma união financeira que ajudará os países mais pobres, como Portugal.

Portugal não pode continuar a fingir que é diferente da Grécia. Não é. A Espanha, maior, também sabe que faz parte do mesmo grupo do savoir vivre que inclui a Itália inteira e quase toda a França.

A verdade é que existe — e sempre existiu — uma Europa do Sul, em que cada país se dividiu, inutilmente, entre Norte e Sul.



Se o Syriza ganhar (ou perder), devemos abraçá-lo e solidarizarmo-nos com ele. As eleições nacionais são a última afirmação da escolha política.

Poderia haver na Grécia um partido que, ao contrário do Syriza, quisesse sair do euro e voltar ao drachma, poupando biliões. Até há. Mas não têm hipótese de ganhar.

Os poderes do Norte da União Europeia querem dividir-nos e obrigaram-nos a competir entre nós, para descobrirmos quem é o escravo mais cumpridor.

Não há maior beleza do que a união política dos pobres e devedores. Obrigarmo-nos a ser de direita ou de esquerda é a mais horrenda manobra divisionista.

Hoje é domingo e a eleição na Grécia atira-nos para o silêncio. Isso é que era bom. Hoje queremos que ganhe o Syriza e, por conseguinte, as opiniões portuguesas que ainda sonham com um mínimo de liberdade.

Assim seja.

domingo, 25 de janeiro de 2015

MÉRTOLA, 1962

Do texto do documentário da RTP sobre as localidades em torno do Guadiana: "É uma vila do Baixo Alentejo, rica de recordações históricas. Se não fora o acesso difícil, através de uma região desarborizada, esta povoação poderia ser romagem obrigatória de arqueólogos e de turistas curiosos". Infelizmente, o documentário é apresentado sem ficha técnica. Ficamos sem saber quem teve o acertado pressentimento.



MOURA, 1962

O documentário passou na RTP exatamente um ano antes de eu nascer. Tem imagens muito curiosas sobre as localidades em volta do Guadiana. Aqui ficam, em quase pausa dominical, três imagens de uma cidade que, naquela forma, já não existe.

Link: http://www.rtp.pt/arquivo/?article=172&tm=29&visual=4



À MESA, COM ANTOINE WESTERMANN

A iniciativa, do Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo,  tinha como objetivo justamente promover o azeite alentejano. Convidado de honra? Antoine Westermann, figura habitual dos Guias Michelin e nome ligado ao Hotel Fortaleza do Guincho. A função decorreu no Tomba-Lobos, à saída de Portalegre.

Um senhor descomplicado e de gestos calmos. Achei curioso que se interessasse pelos peixinhos da horta - que lhe traduzi, de forma aproximada, como poissons du potager - e ainda mais quando se apercebeu das razões de ser do prato, mais uma das muitas originalidades da nossa culinária. Tal como se interessou pela origem persa da palavra escabeche, trazida até nós pelos árabes como as-sikbaj.

No fim, Antoine Westermann saudou José Júlio Vintém com um sorridente je me suis régalé. Isso mesmo.

O encontro foi ótimo. Que o azeite alentejano se sai muito bem, disso não duvidemos.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

JOSÉ NELA - V

CASA.DOS.IRMAOS
FUNDADA.A.BEM.DE.TODOS
HAJA.PAZ.E.UNIAO


Último post da série José Nela.

O quadro é de 1972 e está assinado J. Nela. O quadro na parede repete a cena que vemos em primeiro plano. Um pormenor delicioso. As perspetivas não são as que mandam as regras de geometria? E isso que importa? O resto está tudo mais que certo. A começar pelas colagens e pelo tom feérico e popular. Continuando no ambiente de um tipo de comércio que todos nós conhecemos. E terminando na legenda ao estilo de ex-voto, que era imagem de marca deste pintor.

Viva José Nela, pintor da minha terra!


ADOÇÕES POR CASAIS DO MESMO SEXO E SÃO LENINE...

Estava com uma amiga quando se ouviu a notícia do voto favorável do PCP à adoção de crianças por casais do mesmo sexo.

"Ai o São Lenine...", tartamudeou ela.

É o que dá ter amigas reacionaríssimas...


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

ALGUNS MILAGRES

A propósito de milagres... Aparentemente existem. Pude constatá-lo em recente visita à exposição da Gulbenkian. Tesouros Reais de Espanha? Pois sim. O milagre da exposição, de grande clareza em termos de montagem. O milagre do grafismo, que contraria tendências "modernaças" de tudo ao molho. O milagre da (e na) pintura de Goya. Devo estar a ficar velho, mas fixei-me nos clássicos: Goya, Ticiano, Caravaggio...

Walt Whitman veio dar uma ajuda. A exposição é só até domingo. Ver o que lá está de novo reunido no mesmo espaço, só mesmo por um outro (e improvável) milagre.

Miracles (Walt Whitman)
Why, who makes much of a miracle?
As to me I know of nothing else but miracles, 
Whether I walk the streets of Manhattan, 
Or dart my sight over the roofs of houses toward the sky, 
Or wade with naked feet along the beach just in the edge of
   the water, 
Or stand under trees in the woods, 
Or talk by day with any one I love, or sleep in the bed at night
   with any one I love, 
Or sit at table at dinner with the rest, 
Or look at strangers opposite me riding in the car, 
Or watch honey-bees busy around the hive of a summer
   forenoon, 
Or animals feeding in the fields, 
Or birds, or the wonderfulness of insects in the air, 
Or the wonderfulness of the sundown, or of stars shining so
   quiet and bright, 
Or the exquisite delicate thin curve of the new moon in spring; 
These with the rest, one and all, are to me miracles, 
The whole referring, yet each distinct and in its place.

To me every hour of the light and dark is a miracle,
Every cubic inch of space is a miracle,
Every square yard of the surface of the earth is spread with
   the same,
Every foot of the interior swarms with the same.

To me the sea is a continual miracle,
The fishes that swim—the rocks—the motion of the waves—
   the ships with men in them,
What stranger miracles are there?

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

OS ANANGA-RANGA E AS POMBINHAS DA CATRINA

A história terá uns 35 anos. Havia um baile de finalistas (?) ou da Comissão de Festas (?). Grupo de baile? Os Ananga-Ranga. Um grupo moderno, com uma sonoridade ao jeito daqueles tempos, algo na onda jazz-rock. Tudo bem? Não, tudo mal. O grupo era bom, mas não para um baile. Ninguém dançava. Os músicos um tanto enfiados, a comissão organizadora sob fogo cruzado, temia-se uma noite difícil.

Na segunda série (os bailes eram por séries, cujo final era anunciado assim mesmo pelo vocalista "final de série"), os Ananga-Ranga demonstraram todo o seu pragmatismo. Começaram com uma animada versão das pombinhas da Catrina. O resto deve ter alinhado pelo mesmo diapasão, isso já não me recordo. O baile correu bem.

Lembro-me amiúde deste episódio. Em especial quando se trata dos quadros comunitários. Começamos sempre pelos Ananga-Ranga. Acabamos sempre nas pombinhas da Catrina.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

TOPONÍMIA URBANA

A toponímia urbana é uma bolsa de valores, volúvel e rápida. Reflete, por norma, a ascensão e queda de gerações de políticos, a popularidade, duradoura ou efémera, de atores, escritores e atrizes, ou ainda de protagonistas locais, com desempenho de relevo numa época determinada.

Os séculos XIX e XX desgraçaram, nesse aspeto, a paisagem urbana. A burguesia liberal resolveu imortalizar os seus protagonistas políticos. Nomes e mais nomes de personagens hoje relativamente desconhecidos, e que dão vontade de fazer um quizz “diga lá quem foi Hintz Ribeiro”, “qual o cargo desempenhado por Rodrigues Sampaio?”. Felizmente, Moura escapou ao flagelo.

Os meus nomes preferidos são os antigos e tradicionais. Os que remetem para o sítio em si, como Cerro do Benfica, em Mértola (Benfica não por causa do glorioso SLB, mas por corruptela de Bab al-Madiq, porta do estreito, em alusão ao ponto de passagem que dava acesso à vila). Os misteriosamente pré-romanos, como Marvila. Ou, no caso de Moura, os que nos levam a cemitérios da Alta Idade Média, como Santa Justa. Os que recordam bairros antigos, e nisso a Mouraria, com Primeira, Segunda e Treceira (atenção, Treceira e não a banalidade de uma Terceira) ruas, a todos leva a palma. Gosto da ressonância medieval de algumas das nossas artérias, como a dos Ourives, a dos Albardeiros, a da Verga, que há tempos mudou de nome. O povo é quem mais ordena? Sim. A Rua das Tendas, belo nome, é agora Conselheiro Augusto de Castro. É? Não é nada. Toda a gente a conhece como Rua da Jopal, em alusão a um estabelecimento comercial ali situado. Mais curiosa ainda é a Brecha do Jardim, que tem, desde há poucos anos, nome oficial. Brecha porquê? Porque em 1707, as tropas do Duque de Osuna minaram as muralhas novas em diversos pontos, originando brechas. Uma delas manteve-se, firme, na memória da cidade, até aos nossos dias. Já lá vão mais de 300 anos.

Termino com a alusão a algumas originalidades da toponímia recente. Tenho um especial afeto pela “praceta” (por norma sinónimo de um lote sugado até ao osso e onde se deixou, no meio, uma árvore raquítica), mas nada supera o profundo mistério da “rua projectada”. No caos suburbano dos anos 70 eram frequentes designações como “Rua Projectada à Calçada da Quintinha” ou, melhor ainda, “Rua Projectada à Rua 3”. Escusam de checkar, existem mesmo. Tais designações causavam fúria e desespero a transeuntes e taxistas, perdidos e à nora em novas urbanizações onde os pontos de referência habituais – a igreja, o velho café, o chafariz, o jardim – tinham desaparecido.

Ruas projetadas não temos. Mas temos de projetar o sítio ao qual daremos o nome a homens como João de Morais (que traçou a igreja do Espírito Santo) ou António Rodrigues (que desenhou o edifício dos Quartéis). Ou ainda Faraj ibn Khayr al-Tutaliqi, nascido no nosso concelho no século X  e que se tornou um célebre gramático na corte do califa, em Córdova.


Crónica publicada em "A Planície" de 8.1.2015. Rua da Saudade, coisa de um País de líricos... Em Moura há uma.

domingo, 18 de janeiro de 2015

ROSALIND SCHNEIDER: POESIA EM MOVIMENTO

Havia (1979? 1980?), no Canal 1, um programa sobre cinema, conduzido (salvo erro) por Alfredo Tropa. Dava-se notícias, faziam-se comentários e mostrava-se cinema. Por várias vezes, o programa terminou com a exibição de filmes de Rosalind Schneider (n. 1932). As imagens eram muito bonitas, poéticas podemos mesmo dizer, mas, para as certezas infalíveis dos meus 16-17 anos "aquilo" não era cinema.

É claro que era, e de grande qualidade. Os anos passaram. O conceito estético de Rosalind Schneider refinou-se, sem perder a linha condutora. Evocações impressionistas? Um pouco de Turner? Não sei, não sou crítico de Arte... Mas que as imagens são poéticas, isso são. E é muito bom cinema.

Aqui fica um excerto de "Fall illusion", de 2006.

Filmes inspiradores, e que me darão uma ajuda num trabalho-não-Moura a desenvolver em fevereiro.

sábado, 17 de janeiro de 2015

GAS STATION

Um responsável militar americano considera a Base das Lajes - por arrastamento, os Açores - uma gas station. Uma bomba de gasolina? Nem mais, isso mesmo. Daí o desinvestimento que ali vai ter lugar.

Estas opiniões revelam, como sempre, respeito e consideração. Aguardo, com curiosidade, as iniciativas (não as palavras...) do nosso governo.

A MINHA LAREIRA

Post particular para alguns amigos que conheceram a casa. Com um texto de Raul Brandão (1867-1930), autor que se "estreia" no blogue.

Já tinha visitado o sítio muitas vezes. Mas nunca, até há três dias, reparara que o espaço de vendas da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos tinha uma lareira. Não é uma lareira qualquer. É a minha lareira. Naquela casa, hoje muito modificada e onde os traços de outrora desapareceram, viveram os meus avós. O meu avô era o porteiro da Sociedade dos Azeites. Depois de reformado, arranjou aquele trabalho. Ali viveram durante 7 anos. Naquela casa passei longas horas. Ali dormi muitas vezes e ali li os primeiros livros e escrevi as primeiras redações. Misteriosamente, nunca, em tempos recentes, tinha olhado para aquele sítio, bem à vista, onde a minha avó cozinhava e onde tantas vezes me aqueci. Mas aquela é a minha lareira, sem dúvida que sim.



O frio é mortal e durante dias me persegue esta imagem cinzenta, feia e gelada. Até que recomeça a chover, a chover de mansinho e nunca mais despega…

É então que eu gozo… Aconchega-te e sonha. Sonha à tua vontade, sem limites. Acende a fogueira e ouve-a cantar lá fora, descer em enxurradas, passar em trombas com o vento e pingar dos beirais. Esquece o mundo, esquece a vida e deixa-te reluzir por dentro como os troncos secos que ardem na lareira… Agora é mansa e musical - bate devagarinho nas vidraças. Há momentos em que me chama. Ouço um grito ao longe… Avança com arrancos e desperta-me… Por fim o aguaceiro passa, as janelas sossegam - sch!... sch!... (Como tudo está calado!). Fica um pingo que se não sabe donde cai, um som de flauta perdido entre os pinheirais solenes e distantes…

in Raul Brandão, Memórias, III, obra editada após a morte do escritor.

Ó DIABO, ONDE É QUE TEREMOS ERRADO?

Quando Alexandre Soares dos Santos assim pensa, devemos ficar preocupados...

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

CÂMARA ABERTA - TRABALHO, INVESTIMENTO, EMPREGO (DIA 4)

E chega ao fim esta terceira edição da Câmara Aberta. A opção tomada foi a de escolher empresas locais com impacto exterior. Faltam algumas, decerto, mas a iniciativa não se esgota aqui nem a necessidade de promover o concelho termina hoje.

Das 9 às 18 foram seis as entidades visitadas. Seis experiências diferentes, que correspondem a outros tantos percursos. As marcas são de todos conhecidas. MOURA está sempre em pano de fundo.

No final do dia, ainda houve tempo e oportunidade para uma sessão de esclarecimento sobre o microcrédito. O encontro teve a presença de três entidades bancárias: Millenniumbcp, Novo Banco e Crédito Agrícola. Em termos futebolísticos, podemos dizer que a autarquia joga em todo o terreno de jogo.

 Herdade dos Cotéis

 Água Castello

 Casa Agrícola Santos Jorge

 Jinko Solar - fábrica de montagem de painéis

 Fábrica de Alimentos Guadiana

Cooperativa Agrícola Moura e Barrancos

Sessão sobre o microcrédito

CAR CRASH

Fez hoje um ano, às 8:35.

Nada, mesmo nada, se passou, para além de um amontoado de latas. Saiu-me o euromilhões, à quinta-feira.



Performance Car Crash (1960), da autoria do artista pop Jim Dine (n. 1935)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

M. CONCEIÇÃO AMARAL À FRENTE DA FUNDAÇÃO RICARDO ESPÍRITO SANTO SILVA

A novidade foi-me dada pela própria Conceição, pelo telefone. Acaba de sair agora no Público.

A tarefa de dirigir a FRESS é difícil, para mais numa altura em que tudo o que soe a "Espírito Santo" cause reservas. Conheço a Conceição desde 1997. Durante estes anos construímos uma sólida amizade. Trabalhámos juntos em vários projetos (Memórias Árabo-Islâmicas em Portugal, Marrocos-Portugal: portas do Mediterrâneo, Discover Islamic Art, Lusa: a matriz portuguesa etc.). Conheço a sua extrema competência e solidez profissional. Que tempera com simplicidade pessoal e uma enorme simpatia.

A tarefa é difícil, mas a Conceição vai sair-se bem desta dificuldade. Disso tenho a certeza. O telefonema terminou com a minha disponibilidade para ajudar. As limitações atuais são muitas. Mas cá estarei.

Site da FRESS: http://www.fress.pt


Rio de Janeiro - outubro de 2007. Recordação de um dia de pausa num projeto feliz, Lusa: a matriz portuguesa. Fotógrafa: Maria da Conceição Lopes.

CÂMARA ABERTA - TRABALHO, INVESTIMENTO, EMPREGO (DIA 3)

Dia de contactos institucionais. Manhã de trabalho em torno da LÓGICA, da Herdade da Contenda e da COMOIPREL. Pontos de situação, perspetivas de trabalho, balanço da atividade recente e planos futuros. As questões laborais ocuparam a tarde: encontros com a Diretora do Centro de Emprego e com a União de Sindicatos de Beja.

 COMOIPREL / HERDADE DA CONTENDA / LÓGICA

 REUNIÃO COM O CENTRO DE EMPREGO

REUNIÃO COM A UNIÃO DE SINDICATOS DE BEJA

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

ASSEMBLEIA DISTRITAL - MAIS UM OBSTÁCULO PASSADO

Sessão relâmpago da Assembleia Distrital de Beja. Começou às 21.10, terminou às 21.20. Em dez minutos, foram aprovados, por unanimidade, o Orçamento, as Grandes Opções do Plano e o Mapa de Pessoal para 2015.

Anteontem foi votada, na CIMBAL, a aceitação da transferência de bens e pessoal. O assunto segue agora para a Assembleia Intermunicipal, que tem a última palavra. Espero que predominem a ponderação e o bom senso.

A minha tarefa, enquanto presidente da ADB, e no que a este dossiê diz respeito, está praticamente concluída.

I CONGRESSO MUNICIPAL DE DJ

Congresso Municipal de quê??? De DJ. Isso mesmo. De DJ. Num concelho onde há muitos DJ o desafio lançado foi este: organizar um "congresso", onde cada um possa mostrar a sua Arte, ao longo de uma festa que durará até de madrugada. Haverá ainda espaço para debate e para um workshop. Afinal, congresso é congresso.

Quando? De 31 de janeiro para 1 de fevereiro.

Porquê? Porque no dia 1.2.2015 se cumprem 27 anos da elevação de Moura a cidade. E esta é uma forma jovem e descontraída de assinalar a data.

Onde? No Parque Municipal de Feiras e Exposições.

As entradas são pagas. A receita reverte para a Associação SOS Animais.


Nota de imprensa da Câmara Municipal:

No próximo dia 31 de janeiro, a Câmara Municipal de Moura vai promover o I Congresso Municipal de DJs. 
Quando se comemoram os 27 anos da elevação de Moura a cidade, o município decidiu dinamizar este encontro como forma de assinalar a efeméride e envolver os jovens do concelho na celebração do 1 de fevereiro.
Cerca de duas dezenas de DJs do concelho mourense já confirmaram a sua participação nesta iniciativa que tem como objetivo a troca de experiências, a partilha de conhecimentos e também a promoção destes jovens que habitualmente animam as noites da nossa região. Pretende-se ainda que a juventude e todos os interessados nesta vertente musical possam participar, de modo informal, e contribuir com as suas opiniões, sugestões e ideias. 
Além deste lado mais coloquial, e uma vez que se trata de música, a noite de 31 para 1 ficará reservada para a atuação dos DJs, no Parque de Feiras e Exposições de Moura. 
O programa deste encontro, denominado I Congresso Municipal de DJs, está a ser ultimado e será divulgado muito em breve.