segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

MAIS UMA DESVANTAGEM DE SER DE HISTÓRIA DA ARTE

Se eu dissesse qualquer coisa sobre o BANIF acontecer-me-ia como ao arcebispo de Beja. Sendo de História da Arte, estão-me vedadas opiniões fundamentadas sobre estas matérias. Aos especialistas não estão vedadas opiniões que, apesar de fundamentadas, falham sempre. São os azares de ter escolhido o curso errado...


De Mário-Henrique Leiria, com um abraço para Carlos Costa:

O QUE ACONTECERIA
SE O ARCEBISPO DE BEJA
FOSSE AO PORTO
E DISSESSE QUE ERA NAPOLEÃO

Toda a gente acreditava que era. O presidente da Câmara nomeava-o Comendador. Iam buscar a coluna de Nelson, tiravam o Nelson e punham o arcebispo lá em cima. E davam-lhe vinho do Porto.
Então o arcebispo dizia:
- Sou a Josefa de Óbidos.
Ainda acreditavam que era, embora menos. O presidente da Câmara apertava-lhe a mão. Iam buscar o castelo de Óbidos, tiravam os óbidos e punham o arcebispo na Torre de Menagem. Além disso, davam-lhe trouxas d’ovos.
Nessa altura, convicto, o arcebispo de Beja afirmava:
- Sou o arcebispo de Beja.
Não acreditavam. Davam-lhe imediatamente uma carga de porrada. E punham-no no olho da rua. Nu.

Sem comentários: