quarta-feira, 30 de maio de 2018

MANAUS

Brasil, pensei instintivamente ao olhar a fotografia. Poderia até ser Portugal. Mas não, aquela larga fenestração é coisa dos trópicos. Melhor dizendo, do Equador. Tirei a fotografia da parede. No verso estava escrito Manaus, BNU. O bonito edifício de gaveto existiu, em tempos, numa cidade da Amazónia. Ficava ali a representação do Banco Nacional Ultramarino. A 1200 kms. do oceano, a 7000 kms. da cidade de origem. Há, em tudo isto, um certo toque Fitzcarraldo. Uma realidade improvável, fruto da tenacidade.


Sem comentários: