sábado, 28 de julho de 2018

CRÓNICAS OLISSIPONENSES - XII

Pode um cidadão comprar e vender casas? Pode, claro.
E gerar mais-valias? Acho que sim, nada na lei o proíbe.
E pode dirigir campanhas políticas contra a especulação imobiliária? Também pode. Não pode é a mesma pessoa fazer tudo isso, em simultâneo. Porque nesse desdobramento de personalidade alguém deixa de ser levado a sério.

Como no texto de Mário-Henrique Leiria.

O QUE ACONTECERIA
SE O ARCEBISPO DE BEJA
FOSSE AO PORTO
E DISSESSE QUE ERA NAPOLEÃO

Toda a gente acreditava que era. O presidente da Câmara nomeava-o Comendador. Iam buscar a coluna de Nelson, tiravam o Nelson e punham o arcebispo lá em cima. E davam-lhe vinho do Porto.
Então o arcebispo dizia:
- Sou a Josefa de Óbidos.
Ainda acreditavam que era, embora menos. O presidente da Câmara apertava-lhe a mão. Iam buscar o castelo de Óbidos, tiravam os óbidos e punham o arcebispo na Torre de Menagem. Além disso, davam-lhe trouxas d’ovos.
Nessa altura, convicto, o arcebispo de Beja afirmava:
- Sou o arcebispo de Beja.
Não acreditavam. Davam-lhe imediatamente uma carga de porrada. E punham-no no olho da rua. Nu.

Pintura de Carlos Botelho, um dos meus lisboetas preferidos.

Sem comentários: