quarta-feira, 25 de julho de 2018

O MEU AIRBUS A380 - pequena crónica aero-ferroviária

Foi um cume da parolice a excitação à volta da aterragem de um avião, que teve lugar na passada segunda-feira, no Aeroporto de Beja.

Enquanto isso acontecia, e um engarrafamento assinalável era gerado na rotunda à entrada de Beja, os utentes da CP eram enfiados dentro de um autocarro a caminho de Casa Branca. "Vamos lá mas é ver se dou com o caminho", disse-me o motorista, quando o inquiri acerca do cumprimento do horário. Pensei que fosse uma piada. Não era. Em Viana enganou-se e teve de volta para trás numa rotunda. Não havia ninguém para cobrar o bilhete e meti-me no inter-cidades. Quis pagar com multibanco. O revisor olhou-me com ar "olha para este armado em fino". Só em contado. Mainada. Aterrei em Sete Rios com quase uma hora de atraso.

Hoje, apanhei a altometora (o inter-cidades não deu sinal de vida) para Évora. O altifalante ia educadamente avisando "senhores passageiros blablabla o atraso é de 6 minutos". Depois 20 minutos, 24 minutos, 45 minutos, 51 minutos, 56 minutos. Chega-se a Évora uma hora e cinco minutos depois da hora. Os que foram para Beja tiveram menos sorte. Tinham o autocarro à espera.

Menos mal. Temos o maior avião do mundo estancionado em Beja. Essa é que é essa.

o A380 à saída de Beja (23.7.2018)

outro A380, à saída de Sete Rios (25.7.2018)

Sem comentários: