segunda-feira, 17 de junho de 2024

STARDUST MEMORIES Nº 78: O MEXICANO DA PRAIA DE MONTE GORDO

Era uma figura emblemática da Praia de Monte Gordo, de há mais de 50 anos. Vendia bolas de Berlim, protegendo-se do sol com um chapéu mexicano, muito parecido a este. Anunciava os produtos numa cantilena à mariachi, que causava boa disposição em todo o areal.

Não faço ideia como se chamava e é pouco provável que ainda esteja entre nós.


domingo, 16 de junho de 2024

COISAS QUE SÓ EXISTEM NA LUSITÂNIA: NIKI LADRA

NIKI LADRA?

Se isto não é criatividade, então expliquem-me o que quer dizer essa palavra.

Chama a atenção? Chama. É esse o objetivo da publicidade.

E são competentes, dizem-me amigos que têm cães. Ora tanto melhor.



sábado, 15 de junho de 2024

FASTER THAN THE SPEED OF LIGHT

Uma coisa que tem sempre graça é aquele choque entre as intenções e a realidade. O digital... o digital... O uaifai... Vais fazer um douneloude e o computador diz-te que são 122 dias. Então até já, sim?...


sexta-feira, 14 de junho de 2024

QUARTÉIS - HÁ 10 ANOS FOI ASSIM

A imagem tem exatamente dez anos. Estava, naquele momento, a iniciar o discurso de inauguração da obra de renovação dos Quartéis. Usei uma citação de "Os Maias". Quando, no final do livro, correm atrás do "americano", dizendo que ainda o apanham. Nunca se desiste de um propósito.

Voltaria a contribuir para a resolução daquele problema exatamente da forma que o fiz. Um processo longo, iniciado quando o percurso autárquico ainda nem me passava pela cabeça, e concluído ao final da tarde de dia 14 de junho de 2014. Mais ao menos à hora em que este texto vai ser publicado.

Turismo em Moura? Certamente que sim. É possível fazer melhor e diferente? Estou/estamos à espera de ver isso. Há por aí muito boa gente a olhar para as obras dos mandatos de CDU e a fazer de raposa "estão verdes...".


quinta-feira, 13 de junho de 2024

YO NO CREO EN BRUJAS...

Imagem apanhada ao acaso no facebook.

Olha, um bilhete de avião sem fila 13...

Não se riam. Até há poucos anos, a Air France não tinha fila 13.


OS IMIGRANTES

Três medalhas nos Europeus de Atletismo.

Uma cidadã portuguesa (Liliana Cá), filha de imigrantes.

Um imigrante (Pedro Pichardo), que se naturalizou português.

Uma jovem imigrante (Agate de Sousa), que se naturalizou portuguesa..

Lemos, no "Público", acerca de Agate de Sousa:

Em 2021, Agate de Sousa não podia sair de Portugal para competir no estrangeiro porque, depois, não a deixariam entrar. Estava há dois anos no país, a estudar economia e a fazer atletismo, mas tinha a sua mobilidade limitada porque não tinha nacionalidade portuguesa. Para ela, que nasceu em São Tomé e Príncipe, as coisas andaram devagar.


quarta-feira, 12 de junho de 2024

KANISAT AL-GURAB

Passagem, há semanas, pela Igreja do Corvo (kanisat al-gurab), mencionada, coloridamente, em al-Idrisi.

Em cada regresso noto, com pena, a progressiva betonização da paisagem. Era uma vez o Portugal mediterrânico...


LUÍS CAMACHO (1956-2024)

Fez ontem precisamente dois meses que "encalhei" com o Luís, num restaurante na Rua da Junqueira. Ele estava com um casal amigo. Fez questão de me apresentar: "este meu amigo é quem manda nos mortos". Os amigos dele olhando para mim intrigadíssimos, e o Luís a continuar a conversa comigo, como se aquela "apresentação" fosse a mais natural do mundo. Lá desfiz o equívoco.

Tenho pelo Luís a mais profunda admiração. A carreira dele sempre me causou alguma perplexidade. De um talento fora do comum, trabalhou sempre como se "fazer carreira" não lhe interessasse por aí além. Recordo um conjunto de trabalhos seus, "Símbolos tântricos", que me pareceram absolutamente geniais, numa combinação de gestualismo e de aproximação ao Oriente. Quando, algum tempo depois, comentei com entusiasmo essa série, respondeu-me, como se fosse uma coisa distante e já sem grande interesse, "sim, fiz isso há uns anos...". Assim continuou, talentoso e discreto. Sempre longe dos holofotes.

Estava aqui a pensar que a recordação mais antiga que tenho dele é de o ver na Sociedade dos Azeites, onde o pai era motorista. Ou talvez na récita de finalistas da Escola Industrial, em 1971 (?), com ele a fazer uma rábula, vestido de chinês...

Há dois meses, despedi-me dele dizendo, depois da habitual troca de números de telemóveis, "vê lá se te deixas de tretas e apareces mesmo no Panteão; é sempre a mesma história, que sim, que sim, e depois nunca vais". Estava muito longe de imaginar que seria a última vez.

Entre muitas obras do Luís, há uma que pode ser vista com facilidade: este painel - "Os lacaios", de 1997, que está no Museu Nacional do Azulejo. A fotografia é de Pedro Ribeiro Simões.

São demasiados amigos a partir em pouco tempo. Uma grande, grande porra, tudo isto...



terça-feira, 11 de junho de 2024

ZANELE MUHOLI NA TATE MODERN

Zanele Muholi (n. 1972) na Tate Modern até janeiro de 2025. Isso é que era... A mesma sensualidade, forte e generosa, que se desprende dos quadros de Renoir encontramo-la na fotografia de Zanele Muholi.

A fotógrafa "passou" aqui pelo blogue em 2010  em 2017.

Difícil é entender o pronome "their" no texto. Transforma-se a língua numa não-língua...












Manzi I West Coast Cape Town 2022

segunda-feira, 10 de junho de 2024

O MAR SEM FIM

O anúncio foi feito, simbolicamente, esta tarde.

"O mar sem fim" é a oratória inédita de Daniel Schvetz que irá ser registada pela RTP, para posterior difusão televisiva. Homenagem a Luís de Camões e a Vasco da Gama.

O início do outono será marcado pelos detalhes de preparação desta produção.


domingo, 9 de junho de 2024

DANÇA & TEATRO & MÚSICA & JUVENTUDE

Dois momentos importantes no começo de junho: juventude, muita juventude, em iniciativas que saíram de entidades externas (Santa Casa de Misericórdia de Lisboa e Agrupamento de Escolas de Gil Vicente).

Afirma-se(-me) uma ideia: a Orquestra Geração é um projeto extraordinário.

O caminho do Património é por aqui.



sábado, 8 de junho de 2024

MAPUTO

Na vertigem dos anos em Moura, quase tudo me passou ao lado. Como a exposição de Filipe Branquinho, na Galeria Avenida da Índia, em 2016. Encontrei o catálogo Paisagens interiores, no outro dia, ao sair da Cordoaria, quase por acaso. Uma fantástica memória arquitetónica de uma cidade "desaparecida". Uma das mais belas onde estive...

sexta-feira, 7 de junho de 2024

CAFEÍNA POP

Num pacote de açúcar uma interpretação pop das cinco quinas. E não, não é um acaso. Quem fez o desenho para o pacotinho sabia o que estava a fazer.

Um pouco de Pop Art à mesa do café.


quinta-feira, 6 de junho de 2024

QUARTÉIS – 10 ANOS SE PASSARAM

Passa, no próximo dia 14, uma década sobre a data em que se deram por concluídas as obras de reabilitação dos Quartéis e da sua área envolvente. Tenho a ideia de uma tarde de sábado com calor, e com muita gente a assistir à inauguração de uma obra há muito desejada.

O edifício dos Quartéis deu pano para mangas. Estamos a falar de uma jóia da arquitetura, cujo desenho foi traçado na segunda metade do século XVII pelo sargento-mor engenheiro António Rodrigues. A obra só seria concretizada no século seguinte.

O imóvel, edificado por volta de 1725, é uma peça rara no contexto da arquitetura militar portuguesa. Na construção do edifício tiveram parte ativa os habitantes da então vila de Moura, não só com serviços pessoais, como também com o que saía do cofre do município ou ainda através da venda das pastagens dos baldios, sobre os quais os habitantes tinham direitos.

Os Quartéis têm uma forte carga simbólica. Foram construídos com um importante contributo dos mourenses. Que é o mesmo que dizer que foram feitos com o esforço e com a generosidade dos nossos antepassados. Foram os habitantes de Moura quem fez nascer este edifício. A eles pertence e pertencerá. Por isso houve tanto empenho na sua recuperação.

O que mais atrai no edifício dos Quartéis é a serena proporção do conjunto. Arcarias no piso interior, um varandim ao longo do superior. O desenho dos espaços em baixo é refletido em cima. A arquitetura vernacular no seu estado de maior despojamento e simplicidade.

A resolução da situação dos Quartéis assentou em três medidas básicas:

1) Procura de uma solução para realojamento dos habitantes;

2) Conceção e concretização de um projeto para o edifício e para a área envolvente;

3) Revitalização do edifício, com bares e com uma pequena unidade de habitação.

O processo foi longo. Já estava em curso, com a recuperação do telhado, quando dele me ocupei, em 2006. Em dado momento, algures em 2007 ou 2008, disse a um funcionário da Câmara Municipal, amigo dos tempos de juventude, “quando esta obra estiver começada, posso pensar em ir-me embora”. Disse-o convictamente, sem saber que estaria muito longe de assim ser. Entre lançamento de projetos, lançamento de empreitadas e inauguração decorreram oito anos. Nada de mais, se tivermos em conta que isso implicou também os exteriores, que houve a falência de uma empresa e a necessidade de vencer um par de Velhos do Restelo... 

            Foram anos invulgares: entre 2010 e 2017 houve uma catadupa de intervenções concluídas (Museu Gordilho, Igreja do Espírito Santo, Igreja de São Francisco, Lagar de Varas, Torre do Relógio, Pátio dos Rolins, 1ª fase do antigo Matadouro, Mouraria, Torre de Menagem, Novo posto de turismo no Castelo, Jardim das Oliveiras, Pavilhão das Cancelinhas, Centro Cultural de Santo Amador, Igreja Paroquial de Safara, Ribeira de Vale de Juncos, Ribeira da Perna Seca etc.). Tínhamos, e temos, a profunda convicção que fazer política autárquica é bem mais que rebentar orçamentos em festarolas e em intervenções inconsequentes.

            Avançar implicar ousar e inovar. Fazer mais, melhor e diferente. Dialogar – sim, com firmeza, ideias claras e sem prepotência –, intervir e concretizar. O tempo se encarrega de nos vingar. É algo que tenho sentido de forma muito nítida. Em particular agora, que se assinalam os 10 anos de conclusão desta obra. Que tem/teve a marca muito clara do estilo de trabalho da CDU.

            Agora, vai haver uma praia. Muito bem, venha de lá a novidade.


Crónica publicada em "A Planície"


UMA ÁRVORE, DIA SIM, DIA NÃO

Foi apresentado ontem um novo folheto do Panteão Nacional (disponível em código QR, unicamente).

O caminho faz-se caminhando.



ESSES PERIGOSÍSSIMOS IMIGRANTES DE 10 ANOS...

Foram recusados vistos a uma comitiva (11 jogadores com 10 anos e quatro adultos acompanhantes), por se recear que não quisessem regressar a Cabo Verde. Viriam participar num torneio de futebol em Barcelos.

Ai, a lusofonia! Ai, os países irmãos! Ai, a CPLP! Ai, os PALOP! Ai, o universalismo português! Ai, aquele abraço!

Tanta treta, na hora da verdade...





quarta-feira, 5 de junho de 2024

AZIMUTE

Entrevista, na Escola Secundária da Quinta do Marquês (Oeiras), com direto a gravação vídeo, para divulgação do projeto AZIMUTE. Uma tarde proveitosa. Para mim foi, espero que a equipa de jovens estudantes também o tenha sido.


terça-feira, 4 de junho de 2024

ONTEM, FEZ ANOS A SUZY QUATRO

74, para ser preciso.

Lembro-me sempre do aniversário dela. Em particular porque nos meus tempos de liceu havia um colega nosso - hoje alta figura do Estado - que era "especialista" em dançar o 48 crash em estilo agressivo, atirando a melena, que nessa altura tinha, para trás e para a frente. Quem o vê hoje, não imagina a cena. Mas eu vi. Várias vezes.

segunda-feira, 3 de junho de 2024

CHRISTOPHE PICARD (1954-2014)

Conheci o Christophe no Castelo de Juromenha, no verão de 1987. Havia trabalhos arqueológicos em curso, dirigidos pelo Fernando Branco Correia e por ele e fui até lá, com o Miguel Rego e o Cláudio Torres. Foi o início de uma amizade longa, interrompida pela doença que o debilitou, cortando-lhe o contacto com o mundo. O Christophe morreu anteontem. Completara 70 anos dois meses antes.

Foi autor de obras fundamentais - uma delas, Le Portugal Musulman, é leitura obrigatória nas minhas aulas - que reposicionaram muitas questões referentes ao Islão neste Extremo Ocidente. Era um homem intectualmente brilhante, afável como poucos e de uma simplicidade pouco comum naquele meio. Tinha coisas engraçadas, quase ingénuas. Um dia, levou-me ao anfiteatro da Sorbonne onde dava aulas. A sala tinha o nome do seu avô, porque toda a sua família andara à volta dos temas da História e da Cultura Antigas. Não por acaso, o Christophe tinha nascido em Tunis.

Foi o presidente do meu júri de doutoramento (está do lado esquerdo, na fotografia), em junho de 2005. Pouco depois lançou-me o desafio de reiniciarmos, em conjunto, uma revisão/renovação do Le Portugal Musulman. Sim, claro, mas depois apareceu Moura, e depois a terrível doença dele.

Tenho, terei sempre para com o Cristophe uma imensa gratidão. E tenho a profunda pena de, nos últimos dez anos, não termos falado uma única vez. O nosso último encontro foi num seminário, perto de Nice, muito pouco tempo antes de ter começado a perder contacto com o mundo.

Uma grande porra, isto tudo...


HOJE, FAÇO O QUE ME APETECE

Nos outros dias tento. Muitas vezes consigo. Viva a Estrela Vermelha!

domingo, 2 de junho de 2024

MOURA - A ANTIGA AGÊNCIA DA CAIXA

Podia ter escolhido outras páginas, de entre as mais de 400 do livro. Por evidentes razões sentimentais, fixei-me nas páginas 236 e 237 do livro "Caixa Geral de Depósitos - Património Arquitetónico", um magnífico trabalho gráfico de Hugo Brás.

A agência de Moura já não é ali. Resta-nos o desenho do alçado, hoje com com grandes modificações. É um projeto de José Costa Silva, um arquiteto que andou pelas sete partidas do mundo.


sábado, 1 de junho de 2024

O CATEDRÁTICO CARLO ANCELOTTI

Revejo e actualizo um texto de há dois anos. 

6 campeonatos nacionais (Milan, Paris Saint-Germain, Chelsea, Real Madrid, Bayern)

4 taças (Milan, Chelsea, Real Madrid)

5 ligas dos campeões (Milan, Real Madrid)

5 supertaças (Milan, Real Madrid, Bayern)

4 supertaças UEFA (Milan, Real Madrid)

4 campeonatos FIFA de clubes (Milan, Real Madrid)

Isto da "sorte" dá muito trabalho...


COISAS QUE SÓ EXISTEM NA LUSITÂNIA: FRANGO SINATRA

FRANGO SINATRA?

Se isto não é criatividade, então expliquem-me o que quer dizer essa palavra.

Fica em Sesimbra. Ainda não fui, mas irei.


sexta-feira, 31 de maio de 2024

STARDUST MEMORIES Nº 77: O AZ DO LIVRO

Ficava nas Escadinhas do Duque, e eu ia lá, com frequência. O dono era o senhor Jaime, simpático e bonacheirão. Era amigo do meu pai. Havia um grupo de amigos que por ali se encontrava. Lembro-me que a livraria tinha um sortido bastante grande de livros novos e usados. E muitas revistas. No outro dia passai lá. A porta estava fechada. Fiquei coma ideia que seria um local de depósito de bagagens. Mas não tenho a certeza.

A livraria O AZ DO LIVRO, com um ás de ouros e tudo, está para trás, algures no tempo.


quinta-feira, 30 de maio de 2024

A SAUDADE MATA A GENTE, MORENA...

O que me veio há memória, há dias, em Mértola, foi uma velha canção de João de Barro e Antônio Almeida, de 1948: A saudade mata a gente.

Foi um regresso sentimental aos terrenos de há muitos anos. Os espaço do museu, o Islâmico, mais a mesquita, mais a basílica, que abriu ao público em novembro de 1993... Há momentos que quase parecem irreais.





quarta-feira, 29 de maio de 2024

RÁDIO SAUDADE NA NUVEM

Mais 20 emissões na SoundCloud. É só seguir os links.


Gal Costa:

https://soundcloud.com/user-129438212/20-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Carlos Ramos:

https://soundcloud.com/user-129438212/19-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Milva:

https://soundcloud.com/user-129438212/18-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Zeca Afonso:

https://soundcloud.com/user-129438212/17-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Celia Cruz:

https://soundcloud.com/user-129438212/16-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Conjunto de Oliveira Muge:

https://soundcloud.com/user-129438212/15-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Dick Farney:

https://soundcloud.com/user-129438212/14-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Ary dos Santos:

https://soundcloud.com/user-129438212/13-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Luís Rendall:

https://soundcloud.com/user-129438212/12-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing


Lucília do Carmo:

https://soundcloud.com/user-129438212/11-radio-saudade?in=user-129438212/sets/radio-saudade&utm_source=clipboard&utm_medium=text&utm_campaign=social_sharing




terça-feira, 28 de maio de 2024

CIDADE PALATINA

A cidade não é quente, embora os estrangeiros digam que sim. Mas é majestosa e meio secreta. Há muitos anos que não vinha a este palácio. Há muitos assim, em Lisboa. Desconhecidos e escondidos dos olhares da rua. Lá dentro, é o mais absoluto esplendor. Isto já se (me repetiu) uma, duas, muitas vezes. É a cidade palatina que vive longe dos nossos olhos.

segunda-feira, 27 de maio de 2024

ESTADO CRIMINOSO

Israel é um Estado dirigido por um Governo criminoso e desumano.

E sem memória.

A chacina de Rafah é, apenas, mais um episódio numa série de tantos outros.

ÁFRICARCO

África foi o que me interessou, na ARCO. Aliás, fui lá um pouco com esse fito. Ver fotografia e pintura. Kiluanji Kia Henda, Ishola Akpo, Mónica de Miranda, Derrick Boateng (que comecei por seguir no Instagram), ainda a pintura de René Tavares e mais Dieudonné Djiela Kambang e Délio Jasse.

À saída, ainda comprei um resto de coleção, "Paisagens interiores", de Filipe Branquinho. Outras paisagens e outros registos.

A arte africana contemporânea começa a dar-me uma ideia para um certo monumento...



domingo, 26 de maio de 2024

RÚBEN AMORIM E O MOURA ATLÉTICO CLUBE

O "Expresso" desta semana traz um interessante trabalho sobre o percurso de Rúben Amorim, treinador do Sporting. A páginas tantas, ficamos a saber que um mau resultado ante o Moura, quando treinava o Casa Pias [derrota em casa, 0-1, em 19.08.2018] o levou a mudar o sistema de jogo. É curioso saber que o M.A.C. acabou por ter indireta influência nas opções tomadas por Rúben Amorim, nessa época futebolística.

MÁSCARA N°. 19: CASA DA ÁSIA

Mais uma "cara", desta vez na Casa da Ásia. Um sítio com uma coleção assombrosa, onde esta peça espreitava, a partir de uma vitrina.




JORNADA AQUILINIANA

Sessão de homenagem a Aquilino Ribeiro, no final do 60º aniversário do seu desaparecimento. Uma iniciativa que se deveu a quatro câmaras municipais: Sernancelhe, Moimenta da Beira, Paredes de Coura e Vila Nova de Paiva. O Poder Local bem dinâmico, numa sessão que contou ainda com a presença do antigo presidente Cavaco Silva e da Ministra da Cultura, Dalila Rodrigues. E com a extraordinária atuação da Orquestra do Conservatório Regional de Música de Ferreirim.

Seguimos em frente. Nas próximas semanas (até final de junho) teremos seis iniciativas.






sábado, 25 de maio de 2024

CANNES 2024

Não vi o filme ("Grand Tour"), mas verei. Miguel Gomes acaba de ganhar o prémio da melhor realização em Cannes. Sobre o seu filme "Tabu" já disse tudo o que havia a dizer e não me quero repetir. Esta nova distinção não me surpreende muito.

É bom saber que Miguel Gomes vai fazer companhia a Emir Kusturica, Ingmar Bergman, Fernando Solanas, François Truffaut, Andrei Tarkovsky. Um excelente momento para um grande cineasta.

DIA DE ÁFRICA, DESDE 1963

OK, Bach não está nada mal. Mas aos 19 segundos é que o arranque se dá. Músicas da floresta do Gabão. Nunca consegui saber ao certo quem são os intérpretes. O nome citado é o de Pierre Akendengué, um prestigiado músico gabonês. Os nomes (europeus) da ficha técnica são liderados por um arranjador francês, Hughes de Courson. Nunca consegui saber também quem, e quanto, ganhou com esta produção. Os músicos africanos quanto receberam? O anonimato de uns e os estrelato de outros é todo um símbolo.

Hoje é Dia de África.

sexta-feira, 24 de maio de 2024

JOSÉ D'ENCARNAÇÃO

Caramba, até parece mentira! 40 anos? A tese de doutoramento do José d'Encarnação é um marco na nossa historiografia. Conheci-o no I Encontro de Arqueologia do Baixo Alentejo, em janeiro de 1986. Devo ao José d'Encarnação preciosas ajudas e colaborações, como em "Moura na época romana", cujo catálogo sairia, no meio de uma série de trambolhões, em 1990.

Os seus longos anos de docência foram ricos, de produtividade e de empatia com gerações de alunos (nunca ouvi ninguém "dizer mal" dele). Há o Ficheiro Epigráfico e há o archport. E há muito mais.

É bonito que se faça um encontro destes para celebrar o que vale a pena ser festejado - os 40 nos de IRCP - e para felicitar quem o merece: o José. Ele está de parabéns, como o estão so promotores do encontro.

À tua, amigo José d'Encarnação.


quinta-feira, 23 de maio de 2024

LXVI - CRÓNICAS OLISIPONENSES: O SOM E A FÚRIA

Turismo matinal na Calçada do Forte: TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...TRRRRRRRRRRRRR...

Um verdadeito concerto móvel a caminho de Santa Apolónia.

Em Dubrovnik terão feito o que prometeram?

quarta-feira, 22 de maio de 2024

A AULA DE HOJE

E hoje o meu amigo André Linhas Roxas foi/veio dar uma conferência na Universidade Nova. Um regresso à casa onde se licenciou. Estava presente quase toda a turma de Gestão e Proteção do Património Arqueológico. O zoom serve ara estas coisas. Falou-se de planeamento, de legislação, de reabilitação patrimonial e de autarquias. Uns sabem destas coisas, outros não. Para os que não sabem, é mais fácil a política-da-festarola...


QUANDO UMA IMAGEM SE TORNA UM SÍMBOLO

Foi em 2009, num jogo entre o Palmeiras e o LDU, do Equador. Diego Souza acabara de marcar o segundo golo do Palmeiras. O colombiano Pablo Armero abraço-o por detrás. O fotógrafo percebeu que, quase por acaso, com pouca luz e sem uma excecional definição, tinha acabado de fazer A fotografia.

Na altura citou-se um samba: “Sorriso negro / Um abraço negro / Traz felicidade / Negro sem emprego / Fica sem sossego / E negro é a raiz da liberdade”. Quando uma imagem poderosa se torna um símbolo.

Fotografia: Alexandre Battibugli

terça-feira, 21 de maio de 2024

LUZ DE LISBOA

Nunca cansarei de me espantar com esta luz. Às 16:31 o Castelo de Palmela via-se (a 46,5 kms.), com toda a nitidez, a partir do Estoril. Do Castelo de Palmela temos a Pena à vista (a 49,5 kms.). Uma total e única limpidez. A célebre luz de Lisboa, que ao por do sol, fica dourada. Stay gold...


segunda-feira, 20 de maio de 2024

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS - PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO

Finalmente, está terminado este caminho. Alguns anos depois do início, fica concluído este roteiro patrimonial de 175 edifícios.

Autores? Helena Real Gomes, Hugo Brás, Sónia Bonacho, Valter Rodrigues e o dono deste blogue. Dão corpo ao projeto centenas de desenhos e de fotografias, organizadas em mais de 400 páginas.

A apresentação do projeto teve lugar esta tarde, na CULTURGEST.












A BOLSONARESA A QUE TEMOS DIREITO

Não costumo perder tempo com estas coisas. Abro uma exceção.

Jair Bolsonaro, em setembro de 2018, no Estado de Acre, proclamou era preciso "fuzilar a petralhada". Fez uma presidência deplorável.

Ontem, uma pessoa à procura de visibilidade, copiou o gesto.

Recordando Einstein: "two things are infinite: the universe and human stupidity; and I'm not sure about the universe".

domingo, 19 de maio de 2024

RÁDIO SAUDADE X 20

Já lá vão 20 semanas. A emissão de hoje foi Gal Costa.

Antes fizeram-nos companhia:

1. José Coelho
2. Amália Rodrigues
3. José Coelho
4. Nuccia Bongiovanni
5. Alberto Ribeiro
6. Pink Martini
7. Arucivetus
8. Dolores Duran
9. Heróis do Mar
10. Perez Prado
11. Lucília do Carmo
12. Luís Rendall
13. Ary dos Santos
14. Dick Farney
15. Conjunto de Oliveira Muge
16. Célia Cruz
17. Zeca Afonso
18. Milva
19. Carlos Ramos

Os "reels" que coloco nas redes sociais têm centenas de visualizações. Nada mau, sendo que as minhas expectativas iniciais eram mais para o fraco...

sábado, 18 de maio de 2024

GEOMETRIA ATLÂNTICO-MEDITERRÂNICA

Mudejarismo azulejar. Padrões, desenhos, corda-seca, arestas, de repente temos a 1.100 kms. do Mediterrâneo um ambiente que raramente encontramos aqui que estamos mais perto.

sexta-feira, 17 de maio de 2024

I 💜 BUROCRACIA: COISAS ABSOLUTAMENTE ESSENCIALÍSSIMAS

Os amantes da burocracia inconsequente fazem-me sempre lembrar um personagem-burocrata do Jô Soares. Quando iam ter com ele e reclamavam, ele pegava no papel que lhe apresentavam e dizia "do que é que tá reclamando? o papel ainda nem tá amarelo!". É mais ou menos isso.

Bom fim de semana.