sábado, 21 de março de 2020

A PAIXÃO DE COSTA (E NOSSA)

Não é que António Costa não soubesse "por onde lhe pegar", como escrevi há dias. Creio, sim, que se hesitou demais, por se recearem o impacto das medidas a tomar. Até aqui se chegar, sem mais remédio e sem outra opção.

Não acredito que haja grandes alternativas. Os tempos que se aproximam dão para tudo, e vai valer tudo. Pequenos oportunistas (das empresas às autarquias, onde isto vai dar para tudo desculpar), pequenas atitudes, ao lado dos atos da mais generosa entrega.

A conferência de imprensa de ontem foi o que não deveria ter sido. A par das afirmações de António Costa, que dão segurança e não escondem os tempos difíceis, temos atitudes como a da prostrada nova ministra. A cada minuto pensei "mas não haverá quem tire aquela criatura dali?".

A Quaresma vai ser prolongada.

Sem comentários: